Pronta para virar geleia, Uberaba, em seu zepelim gigante, vaiou seu comandante

O ataque sofrido por Uberaba ontem me fez lembrar de um dos maiores clássicos da Música Popular Brasileira (MPB). Não era para ser, mas se tratando de Uberaba, melhor usar a arte para descrever a incompetência de seus políticos. Me lembrei da música Geni e o Zepelim, de Chico Buarque.
Quem conhece a música, sabe do que estou falando (A cidade apavorada, Se quedou paralisada, Pronta pra virar geleia…)… O mesmo sentimento que teve Uberaba ontem, refém da insegurança, da falta de proteção, das promessas não cumpridas, do marketing falso, entregue a todos, menos a quem deveria ser, a sua comunidade.
Após a prisão dos acusados, vi festa, homenagens aos militares, e tudo mais. Não se esquecendo que, não fizeram mais que sua obrigação, e, em especial em Minas Gerais, policiais são muito bem pagos para isso…
Mas ai me lembrei de Geni, a prostituta da música, a meretriz humilhada e desprezada pela sua comunidade… A Geni neste caso somos todos nós, que só servimos, como na poesia de Chico Buarque, apenas quando precisam da gente, ou seja, na hora de votar.
De Belo Horizonte, o ainda, e contestado prefeito, dá mais nova cidade do faroeste, Paulo Paulo Parado Piau, dá entrevista sobre sua “preocupação com os mortais de Uberaba”, mesmo há seis anos e meio no poder, e sem nada fazer pela segurança pública.
Da mesma capital mineira, o delegado (ou ex?) Heli Andrade, o Grilo, transformado, na ignorância do voto, em deputado, diz “ai que vontade de estar em Uberaba, para bravamente combater o crime”… Uai, então por que não ficou, ao invés de ser deputado mediano, poderia continuar a ser um delegado eficiente… E para isso, teria competência…
O comandante da PM dá entrevista, sobre a “brava resposta” dada aos bandidos. A chamada imprensa da cidade tenta apaziguar, ao invés de criticar ou questionar o por que, em menos de um ano, dois ataques deixaram, Uberaba refém de bandidos profissionais, já que dos bandidos do dia a dia já faz tempo que perdeu a guerra, se rende em homenagens a tal, obrigatória, resposta da PM.
Como em Geni, tudo como Dantes, após “resolvida a questão”… Geni (nós) voltamos a ser desprezados, humilhados, e os políticos? “Partiu numa nuvem fria, com seu zepelim prateado”, e a espera da próxima crise para abafar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *